24 julho 2007

Baixo Méier

Vendo os comentários dos "Encontros BDE", lembrei da última cerva que tomei nos confins cariocas, com Flavinha e Ossip em um bar de metaleiros, no Baixo Méier, logo após ter conhecido Don Perrignone e a bela Viviane...E o que resolvemos fazer naquele ambiente cheio de fumaça de cigarro (?) e ouvindo os berros do Ozzy? Pois é... Resolvemos fazer poesia,rs Segue abaixo uma das que nasceram naquele ambiente:

Eu outra vez
quase no lado negro da força
eu lembrando os olhos
que aqui não estão...
eu bêbado
sem dó nem piedade
estou no Rio
céu e inferno em forma de cidade

Que se fodam as chamas
se as companhias que te chamam
são as melhores possíveis

Quero parar de escrever
a vez da caneta ceder
mas a idéia não me deixa
abandono a pena...
volto outra vez para a cerveja

Um comentário:

lena casas novas disse...

Isso é personalidade. Grata pelo prestígio no BDE. Cuida deste fígado hein. Tô sabendo que tua é manguaça.